Follow by Email

sábado, 29 de junho de 2013

Livros, as armas dos libertos

Hoje pela manhã fiz uma experiência curiosa. Ao parar em um semáforo, uma criança veio me pedir "uma moedinha" e eu lhe dei um dos meus livros, optei pelo Na Bucha, que estava de jeito e era apropriado para a criança por sua faixa etária.
Os olhos do menino cintilaram e ele perguntou: Pra mim?
E eu respondi que sim.
Ele agradeceu e saiu correndo, chamando duas outras crianças, um outro menino e uma menina, que estavam nos arredores e que dividiam as filas dos carros pedindo esmolas.
Curiosamente, as crianças cercaram o menino que apontou para o meu carro. Elas olharam para mim e eu sinalizei para que também viessem até o carro e, enquanto o semáforo não abria, elas correram com olhares esperançosos até onde eu me encontrava. Sem dizer nada eu dei mais dois livros de minha autoria para elas: O Dilema de Marquinhos, para o menino, e A Cama do Buraco Negro, para a menina.
Foi gratificante ver aquelas crianças com um sorriso sincero no rosto, correndo até o gramado ao lado da via, sentando e compartilhando o que descobriam a cada página dos livros, esquecendo daquela árdua tarefa de mendigar.
O semáforo abriu e, desta vez triste por ter aberto "tão rápido", eu parti, sentindo-me realizado, pensando profundamente se aquelas crianças estavam frequentando a escola, pois sede de conhecimento elas provaram ter, a única coisa que lhes faltam é o direito da infância, negado pela indiferença política e social de nosso país.
Brasil, acorde! Deixe de covardia! Não há futuro para aqueles que não cuidam de suas crianças. Sem educação não se tem esperança!

Na Bucha - Egidio Trambaiolli Neto
Editora Uirapuru

O Dilema de Marquinhos - Egidio Trambaiolli Neto
Editora Uirapuru

A Cama do Buraco Negro - Egidio Trambaiolli Neto
Editora Uirapuru

3 comentários:

  1. Professor Egidio
    Mais uma vez tu nos ensina a ser gente.
    Rafael Rodrigues da Cruz
    Porto Alegre - RS

    ResponderExcluir
  2. Seu Egidio, meu nome é Gabriel, tenho 10 anos. Eu tinha um monte de livros que eu não estava mais usando, tinha também dois que o senhor escreveu, Síndrome de quê e Histórias de valor. Quando eu li o que o senhor fez com seus livros, dando eles para as crianças do farol, eu falei com a minha mãe pra agente levar os livros pras criança do farol da praça perto da minha escola. Ela gostou muito da ideia e me ajudou a separar os livros. Nós conseguimos juntar 14 livros, depois minha mãe fez um montão de pipoca e fomos até o farol. Minha mãe parou o carro do lado da praça, depois eu e ela chamamos os meninos que estavam lá, passando frio e pedindo dinheiro. Tinha quatro crianças. Minha mãe deu um saco grande de pipoca e um livro para cada uma, mas tinha uma muito pequena que ainda não sabia ler, porisso minha mãe convidou as criança pra sentarem perto dela e abriu um outro livro e começou a ler pras crianças. Foi muito legal. As crianças pediram para ler outro, mas minha mãe falou que se quisessem ganhar outro livro e mais pipoca, teriam de contar pra ela a história do livro que ganharam. Ela ainda prometeu que daria um outro livro toda vez que eles contassem a história do livro que ela deu. Aí o menino pequeno falou que não sabia ler, que porcausa disso ele não ia ganhar mais livros. Só que a minha mãe é inteligente e falou que ele visse as figuras e imaginasse uma história para ela. Na semana que vem vamos lá de novo, só que dessa vez eu que vou ler pra eles.
    Gabriel - Osasco-SP

    ResponderExcluir
  3. Nossa, Gabriel e mamãe de Gabriel!
    Que bonito!
    Fico feliz por ter servido de referência para essas atitudes tão nobres.
    Obrigado

    ResponderExcluir